Em uma reunião tensa, 3 dos 5 diretores da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiram nesta terça-feira (21) por suspender a produção, importação, venda e distribuição do carbendazim, agrotóxico banido na Europa e nos Estados Unidos por suspeita de causar câncer e malformação de fetos e um dos 20 defensivos agrícolas mais usados no Brasil. A suspensão é imediata e vale até que conclusão do processo, que tem prazo de 60 dias.

No meio da reunião, na tarde desta terça-feira (21), a relatora do processo, Cristiane Jourdan, que indicou ser a favor da proibição do agrotóxico, abandonou a sessão virtual, sem chegar a participar da votação sobre a suspensão do produto. Os outros diretores presentes —Meiruze Freitas, Alex Campos e Romison Mota— votaram a favor. Em viagem fora do país, presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, não votou.

A confusão começou quando a presidente substituta, Meiruze Freitas, anunciou a possibilidade de inverter a ordem do julgamento. Primeiro, seria analisado o voto da relatora, Cristiane Jourdan, que já havia votado pelo aprovação do relatório da área técnica, que defende o banimento completo do carbendazim. Depois, seria avaliada uma medida preventiva para suspender o agrotóxico até a conclusão do processo de avaliação do veneno.

Meiruze disse que a proposta seria julgar primeiro a suspensão temporária do defensivo agrícola. Cristiane reclamou: “Como diretora relatora, entendo que não tem por que eu apresentar meu voto se a deliberação apresentada pela diretora Meiruze for apresentada antes do meu voto”.

Segundo Cristiane, a decisão provisória de suspender o veneno poderia não ter um efeito melhor do que a proposta que ela traria ao processo. “A diretora tem a prerrogativa de apresentar a decisão final”, explicou. “Caso haja alguma deliberação anterior, de forma a confrontar com meu voto, com uma decisão de ter efeito melhor que cautelar, eu peço desculpas porque vou me retirar.”

“Eu me retiro da reunião e levarei isso aos órgãos de controle, ao Ministério Público, porque entendo que houve questão de se bloquear a leitura do voto da relatora”, argumentou a diretora da Anvisa ao deixar a reunião.

Meiruze afirmou que Cristiane teria toda a liberdade para trazer seu voto. “A decisão da diretora Cristiane foi uma decisão unilateral de não seguir o processo.”

Alex Campos disse a saída da relatora todos com “desconforto”.

Como mostrou o site Uol, em fevereiro, a agência tomou uma decisão que adiou uma das etapas do processo de análise do agrotóxico. Mas, em junho, a 6ª Vara Federal de Brasília ordenou que a Anvisa concluísse a reavaliação do agrotóxico em 60 dias.

A área técnica da Anvisa já havia se posicionado para banir completamente o carbendazim das lavouras do Brasil. O veneno é utilizado em culturas como soja, milho, laranja e maçã.

FONTEbahianoticias.com.br
Artigo anteriorMinistério Público oferece 27 vagas de estágio em cidades da Bahia
Próximo artigoReceita Federal deixa de exigir autenticação de documentos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui